|  Por gustavo mehl

Sede da Dignitatis é arrombada e tem computador roubado em João Pessoa

viatura

Organização de direitos humanos atua em casos de violência na região nordeste e teve atuação fundamental na federalização do assassinato de Manoel Mattos; caso será relatado ao Ministério da Justiça e à ONU

No último domingo, dia 31, a sede da organização de direitos humanos Dignitatis – Assessoria Técnica Popular, localizada em João Pessoa, na Paraíba, foi arrombada. Um computador, uma máquina fotográfica e outros objetos foram roubados. O caso será relatado diretamente para o Governo do Estado da Paraíba, para a ONU e para o Ministério da Justiça, entre outros. Entidades nacionais e internacionais de direitos humanos já manifestaram apoio. No dia 13 de dezembro de 2010, a porta da mesma sede já havia sido danificada por um tiro de revólver calibre 22 que quebrou a viga interna da porta (LEIA A NOTA DA DIGNITATIS), mas daquela vez nada havia sido levado.

Em análise preliminar, peritos afirmaram que o arrombamento foi feito de forma a não deixar marcas. A princípio, no local não foram encontradas impressões digitais ou indícios concretos que levem à autoria do crime, mas a suspeita dos associados da organização é que o roubo tenha acontecido em função de denúncias feitas em casos de violação de direitos humanos, já que documentos e fotos importantes estavam armazenados no computador e na câmera roubados.

Além disso, vizinhos afirmaram que, durante o período em que o crime foi cometido, uma viatura policial estava estacionada próxima à sede, o que intrigou ainda mais os associados. A Dignitatis atua em casos de violência policial e, junto com a Justiça Global, foi responsável pelo pedido de federalização do assassinato do advogado e defensor de direitos humanos Manoel Mattos, morto por grupos de extermínio formados por autoridades e agentes públicos.

A DIGNITATIS

Desde 2003, a Dignitatis – Assessoria Técnica Popular vem se firmando como uma das organizações de direitos humanos mais respeitadas do país. Sediada na capital do estado da Paraíba, a Dignitatis ganhou projeção com um trabalho efetivo de documentação e denúncia de casos que envolvem violência policial e violação de direitos de comunidades tradicionais na região nordeste do Brasil.

A organização trabalha há anos no enfrentamento aos grupos de extermínio que atuam na divisa entre Pernambuco e Paraíba, na região dos municípios de Itambé (PE) e Pedras de Fogo (PB). Em 2009, após o assassinato do defensor de direitos humanos Manoel Mattos, a Dignitatis e a Justiça Global entraram com um pedido para que a competência das investigações e do julgamento da morte de Mattos e de outros homicídios atribuídos aos grupos de extermínio da região fossem retirados das autoridades locais e transferidos para a esfera federal.

A inédita decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que ano passado determinou a federalização, foi comemorada no meio de direitos humanos como uma vitória histórica que no futuro pode garantir a desarticulação de redes criminosas que atuam em diversos estados do país.