|  Por Justiça Global

Manifesto em repúdio ao assassinato dos pescadores Almir e Pituca é lançado na OAB/RJ

Na última sexta-feira, dia 29, foi lançado na Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro (OAB/RJ) o manifesto em repúdio ao assassinato dos pescadores Almir Nogueira de Amorim e João Luiz Telles Penetra (Pituca), líderes da AHOMAR. O documento exige a investigação das mortes e das ameaças constantes que os pescadores vêm sofrendo, a reabertura do Departamento de Policiamento Ostencivo da Praia de Mauá (RJ) e um canal de negociação direito com a Petrobrás, entre outras reivindicações.

– Veja aqui o manifesto de repúdio pelo assassinato dos pescadores

O evento foi aberto pela presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ, Margarida Pressburger, que exigiu uma resposta imediata das autoridades. Segundo ela, a OAB/RJ vai acompanhar de perto as investigações.

Sandra Carvalho, Diretora da Justiça Global, lembrou que não é o primeiro caso de assassinato a integrantes da AHOMAR. Em 2009, o tesoureiro da associação, Paulo Santos Souza, foi morto em casa em frete a sua família. Em 2010, outro fundador da AHOMAR, Márcio Amaro, também foi morto em um crime similar. Para Sandra Carvalho, o assassinato de Almir e Pituca tem relação com os outros dois casos. “É preciso que as coisas sejam vistas dentro do contexto, e não de forma isolada”, disse.

Alexandre Anderson, presidente da AHOMAR, muito emocionado, pediu que os crimes fossem  investigados. Ele descartou a hipótese das mortes estarem ligadas a disputa por áreas pesqueiras na Baía de Guanabara. Alexandre Anderson, como Sandra Carvalho, acredita na relação entre as mortes dos pescadores ocorridas em 2009-2010 e agora.

Em função das ameaças e dos atentados sofridos contra sua vida, ele vive sob a guarda do Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, tendo escolta policial 24 horas por dia. Mas segundo o
deputado Marcelo Freixo (Psol-RJ), nenhum dos três programas de proteção que existem no Rio funciona. “O programa que defende o Alexandre sequer tem decreto”, afirmou.

O deputado federal Chico Alencar (Psol-RJ)  prometeu levar as denuncias do caso ao Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, solicitando a federalização do crime.

Também participaram da mesa Roberto Leher, da Associação de Docentes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Carlos Martins, da Associação dos Servidores do Ibama e do Instituto Chico Mendes; o pescador Ivo Siqueira, da Baía de Sepetiba; a integrante da Ahomar Daize de Souza e a deputada estadual Janira da Rocha (Psol-RJ).

Pescador Ivo Siqueira, da Baía de Sepetiba

Pescador Ivo Siqueira, da Baía de Sepetiba

Representantes de Movimentos sociais, ONG's e instituições apóiam o manifesto

Representantes de Movimentos sociais, ONG’s e instituições apóiam o manifesto

O manifesto já conta com mais de 200 assinaturas.