OEA renova pela 6ª vez consecutiva determinação para que Estado brasileiro proteja a vida de adolescentes privados de liberdade no Espírito Santo

Inicio Noticias y análisis OEA renova pela 6ª vez consecutiva determinação para que Estado (...)

Novas denúncias de tortura e más condições de privação de liberdade levaram a Corte a renovar as Medidas Provisórias antes mesmo de expirar o prazo das medidas vigentes

Em Resolução datada de 29 de janeiro de 2014, a Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) afirma que não se evidencia a erradicação da situação de risco dos beneficiários das medidas provisórias em virtude da continuação de relatos sobre situações de agressão entre internos, de funcionários contra internos e de uso “abusivo” de algemas como forma de castigo aos socioeducandos.

Diante das dificuldades do Estado brasileiro em adotar ações eficazes para erradicar as situações de risco e proteger a vida e a integridade dos adolescentes internados na Unidade Socioeducativa do Espírito Santo (UNIS) a Corte Interamericana renovou as medidas provisórias que determinam a obrigação do Brasil em garantir a vida e a integridade pessoal dos adolescentes internados.

A superlotação das unidades do Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo (IASES) e os inúmeros problemas decorrentes dela, ampliam e aprofundam um quadro de ameaça física e psíquica dos socioeducandos e demais pessoas que se encontram nestas unidades. Os adolescentes denunciaram também sessões de espancamento e xingamento pelos agentes.

Essa é a sexta decisão da Corte Interamericana em relação ao sistema socioeducativo do Espírito Santo. Entre os meses de abril e julho de 2009, três homicídios de adolescentes foram registrados na UNIS. Essas três mortes, somadas a uma infinidade de violações ocorridas no interior desta unidade levou o Centro de Defesa de Direitos Humanos da Serra (CDDH/Serra) e a Justiça Global a encaminharem uma denúncia ao Sistema Interamericano de Direitos Humanos, em parceria com a Pastoral do Menor e com o apoio da Clínica Internacional de Direitos Humanos da Faculdade de Direito da Universidade de Harvard.

Déjenos su opinión

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *