Nadejda Marques e James Cavallaro são os entrevistados da 10ª edição do Podcast da Justiça Global

Inicio Noticias y análisis Nadejda Marques e James Cavallaro são os entrevistados da 10ª (...)

Já dizia Raul Seixas em outras palavras: melhor é sonhar junto que sozinho. Assim também é como defender os direitos humanos.  O Vozes e Reivindicações recebe com muita honra Nadejda Marques e James Cavallaro, que há vinte e dois anos, junto com Sandra Carvalho, fundavam a organização de direitos humanos Justiça Global. O objetivo da organização é atuar na promoção e defesa dos direitos, denunciando violações e exigindo a garantia de direitos de vítimas de violações e defensoras e defensores de direitos humanos. 

 

Card-twitter-Podcast-Nadejda-e-James

 

Nadejda traz na história a sobrevivência e a luta extraordinária no campo dos Direitos Humanos. Seu pai Jarbas Pereira Marques foi militante dos direitos humanos e defensor dos principalmente democráticos, e por seu ativismo foi assassinado em 1973 no Recife pela Ditadura Empresarial-Militar vigente no Brasil. Filha única de Jarbas, Nadejda é defensora de direitos e atuou como pesquisadora sobre o tema na Faculdade de Saúde Pública da Universidade Harvard e na Universidades de Stanford, nos Estados Unidos.

 

Nascido no Brooklyn, em Nova York, James Cavallaro dedica-se à luta pelos direitos humanos desde 1984, inicialmente com refugiados centro-americanos. Na década de 90, foi diretor no Brasil do Cejil, Centro pela Justiça e o Direito Internacional e da Human Rights Watch. Cavallaro  foi fundador da Clínica Internacional de Direitos Humanos e Resolução de Conflitos na Faculdade de Direito da Stanford University, nos Estados Unidos. James Cavallaro, ou Jim, como prefere ser chamado foi Comissário e Presidente da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA e atualmente é o Diretor Executivo da University Network for Human Rights e professor de direito nas Universidades de Yale, UCLA e Wesleyan.

 

Veja um trecho da entrevista:

 

Camila: Nadejda, a sua história está diretamente relacionada à história de luta por direitos no Brasil. Seu pai era militante e lutava contra a ditadura. Hoje, você é uma referência para muitas defensoras na luta por direitos no Brasil. Gostaria de saber qual foi o principal motivo que te levou a ingressar na história dos direitos humanos.

 

Nadejda: eu nasci no auge da Ditadura Militar no Brasil. Meus pais eram jovens e estudantes que se opunham ao regime de exceção. Meu pai Jarbas foi preso, torturado e assassinado pelo grupo do Fleury, que atuava no Recife. Mesmo eu não tendo a oportunidade de viver e aprender fisicamente com o meu pai (ele foi assassinado quando eu era um bebê; tinha 9 meses de idade), mesmo assim eu pude aprender sobre as suas ações, seus ideias e legado. Eu posso dizer que herdei dele um grande amor pelo Brasil. É um bem querer muito grande por todos os brasileiros. Depois que ele foi morto, minha mãe e eu, como refugiadas políticas, passamos por meia dúzia de países até poder voltar ao Brasil com anistia. E apesar de ter vivido muito tempo fora do país, tanto na minha infância quanto como adultas, carrego comigo isso muito amor e essa ligação muito forte com o Brasil. 

 

Camila: Como se deu o processo de criação da Justiça Global?

 

James: a ideia foi de ter uma entidade brasileira. A visão internacional é a capacidade de levar para fora, para a ONU e os Sistemas Interamericanos, para a imprensa internacional, para dar repercussão às causas do Brasil. Sabemos que o Brasil historicamente liga para o exterior, liga para opiniões e reações  internacionais. O que daria para comunidades brasileiras dos direitos humanos, um poder se soubesse usar, então essa era a lógica, aí decidimos lançar a entidade é a ideia foi juntar pessoas brasileiras com experiência com trabalho junto às comunidades afetadas mas tb com uma capacidade internacional para fazer essa ligação, essa conexão para o que estava acontecendo no Brasil,definir a agenda no Brasil com as comunidades afetadas, reconhecendo a liderança dessas pessoas ,mas aproveitam o mortal internacional para criar repercussão de volta para o Brasil!

Nadejda: Em partes, um dos fatores que motivaram a criação da Justiça Global foi esse entendimento que precisava disseminar o conhecimento sobre direitos humanos, respondendo uma demanda cada vez maior pela profissionalização da área de direitos humanos. Era preciso capacitar os ativistas brasileiros para avançar sobre os direitos humanos. Por outra parte, observamos que as autoridades eram muito rápidas em desmerecer qualquer entidade de direitos humanos internacionais. O James não citou mas foi várias vezes atacado por essas autoridades brasileiras por fazer um trabalho de direitos humanos de uma entidade mas pela sua nacionalidade também!

 

Ouça a entrevista completa: