Observatório de DHs denuncia ausência de plano para enfrentamento da pandemia

Home News and analyses Observatório de DHs denuncia ausência de plano para enfrentamento da (...)

Boletim elaborado pelo Observatório Direitos Humanos e Crise Covid-19, que reúne 18 organizações da sociedade civil e movimentos sociais, evidencia tratamento genocida dispensado às populações vulnerabilizadas

Mais de cem dias após a confirmação do primeiro caso de coronavírus no Brasil, o país atinge um preocupante cenário de mais de uma morte por minuto decorrente da Covid-19. Até o momento, mesmo diante de reivindicação popular e denúncias, o governo federal não apresentou nenhum plano integrado de contenção do vírus e defesa das vidas. No primeiro boletim do Observatório Direitos Humanos e Crise Covid-19 são destaques o impacto desigual da pandemia no país e o plano genocida de um governo que trata as vidas do povo brasileiro, especialmente da população negra, das mulheres e das comunidades indígenas e tradicionais, como descartáveis.

Como sublinham as organizações, diante da omissão deliberada do Estado tem sido a sociedade organizada quem tem buscado soluções para minimizar os impactos da pandemia e da falência do modelo econômico e social, especialmente para grupos mais vulneráveis. As experiências reunidas de movimentos sociais, ativistas, de organizações sociais e coletivos auto-organizados no Boletim apontam que a atuação da sociedade civil pode fazer a diferença entre viver e morrer em alguns territórios.

O documento ressalta ainda que o plano de ação que o Brasil precisa deve ser orientado para o fortalecimento de direitos e serviços existentes, pautado nos princípios da transparência e acesso às informações públicas, possibilitando a participação social tanto nos processos decisórios quanto na fiscalização de sua implementação. E critica o ambiente de desinformação, omissão e caos sobre a gravidade e riscos da pandemia, criado pelo governo Bolsonaro, em evidente violação do direito humano à informação verdadeira, transparente, coerente e baseada em evidências científicas, direito este assegurado em normativas internacionais, como a Convenção Americana de Direitos Humanos e Constituição Federal.

>> Acesse o documento na íntegra aqui.

Sobre o observatório:

O Observatório dos Direitos Humanos na Crise da Covid-19 é uma ação de um conjunto de organizações sociais e movimentos populares, de um espectro diverso dos direitos humanos, para monitorar, formular e sistematizar informações relativas aos direitos humanos no contexto da pandemia de coronavírus.

Integram o Observatório a Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos(ABGLT); Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB); Associação Juízes para a Democracia (AJD); Articulação dos PovosIndígenas do Brasil (APIB); Anistia Internacional; ARTIGO 19; Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea); Coalizão Negra por Direitos; Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq); Criola; GeledésInstituto da Mulher Negra; Instituto de Estudos Socioeconômicos(Inesc); Justiça Global; Movimento de Mulheres Camponesas(MMC); Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST); Plataforma DHESCA; SOS Corpo; e Terra de Direitos.