Nova tragédia anunciada

Inicio Noticias y análisis Nova tragédia anunciada

O dia tão temido por movimentos e organizações da sociedade civil chegou: a licença de operação da usina hidrelétrica de Belo Monte foi concedida nesta terça-feira. Na prática, isto significa que a Norte Energia está autorizada a realizar o enchimento do reservatório da hidrelétrica, tornando concretas todas as violações de direitos humanos, sociais e ambientais que têm sido incessantemente apontadas e denunciadas, e mudando para sempre o rio Xingu e a vida de todos aqueles que dele dependem, inclusive populações indígenas.

belo monte nova tragedia anunciada

A obra foi contestada tanto na justiça brasileira quanto em âmbito internacional. A licença de operação foi concedida repetindo condicionantes que já não haviam sido cumpridos nas licenças anteriormente concedidas.

O licenciamento ambiental é uma forma de mitigar os efeitos, controlar os danos e minimizar os riscos que o empreendimento oferece à população e ao meio-ambiente. Ao despeitar e flexibilizar os procedimentos de licenciamento, o Estado deixa que os interesses econômicos prevaleçam e negligencia o seu dever de zelar pelo interesse público. Situação semelhante aconteceu em Mariana, onde o rompimento da barragem de rejeitos do Fundão revela o descaso do Estado com os procedimentos de fiscalização e monitoramento ambientais.

A manipulação dos procedimentos de licenciamento ambiental para favorecer interesses econômicos não ocorre somente em casos específicos, mas é também acompanhada de propostas legislativas que alteram o regime geral de licenciamento ambiental. Um exemplo disso é o PLS 654/2015, que está previsto para ir à votação na Comissão Especial do Desenvolvimento Nacional do Senado nesta quarta-feira. O projeto diminui o controle e fiscalização sobre os mais complexos projetos de infra-estrutura, trazendo uma série de inovações ao processo de licenciamento ambiental, tais como a eliminação de espaços de participação direta de atingidos e interessados, a diminuição do prazo para realização de estudos ambientais e a criação de uma «licença ambiental integrada».

Ao menos dez terras indígenas serão afetadas com o início da operação da hidrelétrica de Belo Monte, além de 21 comunidades quilombolas e centenas de famílias de ribeirinhos. O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) estima que pelo menos 40 mil pessoas sofrerão os impactos do empreendimento.

Déjenos su opinión

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *