Tão cruel e sanguinária quanto o Batalhão de Operações especiais (BOPE)

Home News and analyses Tão cruel e sanguinária quanto o Batalhão de Operações especiais (...)

Texto do companheiro Hamilton Borges dos Santos sobre a RONDESP (Rondas Especiais), uma Companhia Independente de Policiamento Tático da Polícia Militar da Bahia. Hamilton é um dos articuladores da Campanha “Reaja ou Será Morto, Reaja ou Será Morta” e militante do Quilombo Xis – Ação Cultural Comunitária.

Agora dispomos de duas instituições de sequestros e morte na Bahia!

Hamilton Borges dos Santos (Walê)

A RONDESP é um batalhão especial de polícia do Estado da Bahia, uma polícia tão violenta que faz tremer certos homens da própria instituição. E com esse lastro de terror e medo, ninguém ousa falar ou mencionar os envolvimentos da RONDESP com vários casos de assassinatos, desaparecimentos forçados, torturas e sequestros. Será que esse pelotão é “especial” porque deve ser a campeã em auto de resistência em que geralmente a vítima está de costas, abaixada, clamando pela vida, ou com armas de calibres tão baixos que se comparam a fogos de artifício, frente ao armamento de guerra da RONDESP? Ela é a versão baiana do Robocop, tendo em vista tanta tecnologia de segurança empregada no recente aquecimento da violência na Bahia.

Os Anuários de Segurança Pública de 2012 a 2014 revelam o que nós da Reaja já falamos insistentemente para militantes, ativistas e autoridades, aliadas e aliados do sul do País: o Nordeste vive um drama de Genocídio Negro sem precedentes! Mas, infelizmente, tudo parece ter mais impacto quando ocorre no eixo Rio-São Paulo, até mesmo em se tratando de nossa desgraça coletiva.

Os Anuários de Segurança Publica aqui mencionados apontam que a polícia baiana é a que mais matou em termos relativos em todo Brasil. Coloquem a RONDESP como a mais letal contribuinte dessa estatística que você não vai errar: é a polícia que mais causou mortes no país.
A maioria dos casos de desaparecimento forçado, que temos acompanhado no Núcleo de Familiares e Amigos de Vitimas do Estado Racista Brasileiro, foram de jovens homens negros que desapareceram depois de uma abordagem feita por polícias de um modo geral e da RONDESP em especial.

Ninguém ousa falar da RONDESP. Ela carrega a insígnia da brutalidade, ocupando nossas comunidades como a SS de Hitler ocupavam os guetos judeus, ou como o Exército Judeu ocupam territórios Palestinos: todos com um espírito de guerra contra o inimigo interno que deve ser eliminado. E quem é o inimigo interno indesejado na Bahia? Nós, o povo negro.

No dia 28 de janeiro de 2015 a 5ª edição do Índice de Homicídios na Adolescência (IHA), revela que “A Bahia é o segundo estado brasileiro com maior concentração de assassinatos entre jovens de 12 a 18 anos”. Isso nós da Reaja estamos falando há 10 anos, sem maquiagem, sem concessões, sem descanso. Não negociamos nossas vidas por cargos públicos, não somos levianos porque sabemos que não podemos nos sentir em luta ao colaborarmos com o inimigo fazendo o jogo do feitor – como muitos e muitas fazem. A Reaja vem enfrentando na rua os inimigos do povo, com suas polícias, seus cães que rosnam famintos por nossas vidas. Lutamos contra os dispositivos racistas de controle em nosso dia a dia de medo, humilhação, mas de luta real. Fundamos núcleos em comunidades, entramos em cadeias, presídios e penitenciárias, fortalecendo a luta de familiares e aliviando a dor de prisioneiros e prisioneiras, e agora diante dos cadáveres expostos, vemos propostas cínicas de se articular na base contra as mortes de homens e jovens pretos no Brasil.

Abrir o Jornal e as redes sociais e ver a notícia da morte de um jovem deficiente mental, correndo com medo da truculência da polícia em seu local de moradia, e saber que a ação desastrosa foi feita pela RONDESP, de imediato faz correr a indignação por nosso sangue. Todos tem conhecimento que durante 08 anos do governo Wagner (Governador aposentado vitalício com a regalia imoral assinada por deputados e puxa-sacos) e todos fizeram vista grossa: dos Conselhos às Secretarias, TODOS são cúmplices dessas mortes.

“Policiais da Rondesp são afastados após atirar em deficiente na porta de casa”(http://www.correio24horas.com.br/detalhe/noticia/policiais-da-rondesp-sao-afastados-apos-atirar-em-deficiente-na-porta-de-casa/?cHash=22eb29af35f74e8f47157e57f1aa1873)

Essa mesma polícia, a RONDESP, escapou de um grande escândalo internacional por conta da morte de Geovane Mascarenhas de Santana, 22, que foi sequestrado, torturado, teve parte do corpo decepada. Mesmo diante de tantas provas, de filmagens e da materialidade, os policiais seguem tranquilo com o apoio do Comando. Este fez discurso de blindagem, porque acham uma coisa normal, não passível de punição, sobretudo se se considerar o modo de agir corriqueiro do sistema de segurança pública baiano – lombrosiano e racista e que ninguém contesta.
Pai descobre que filho foi levado por PMs e desapareceu após abordagem (http://www.correio24horas.com.br/detalhe/noticia/pai-descobre-que-filho-foi-levado-por-pms-e-desapareceu-apos-abordagem/?cHash=aeb130f0a47cd1ee64f289c03593889c)

A Campanha Reaja está na rua, todos sabem e conhecem, alguns e algumas tentam nos ignorar pois somos a revelação do cinismo de quem negocia nossa desgraça, somos a pedra no sapato do poder, somos a rua vibrando, somos a voz dos mortos batendo nas mentes confusas de quem se entregou a fábula da promoção da igualdade.

A RONDESP seguirá agindo. Matando, sequestrando e desaparecendo com nosso povo. E pelas falas do novo governo, parece-nos que a ela se somará a Caveira do BOPE – uma nova “polícia especial” a ser criada, mas com a velha missão histórica das forças repressivas baianas de manter (e atualizar) o genocídio do povo negro. E tudo isso sem a menor reação de certo setor de negros institucionalizados que “pregaram o voto negro Consciente” para Oto Alencar, Senador eleito pela Bahia, contumaz defensor da pena de morte, redução da maioridade penal e prisão perpétua.

Queremos uma profunda investigação das ações da RONDESP;
A não criação do BOPE na Bahia;
A imediata instalação de uma CPI dos Grupos de extermínio e Brutalidade Policial;
O controle externo da Atividade policial.

CONTRA O GENOCÍDIO DO POVO NEGRO, NENHUM PASSO ATRÁS!

Hamilton Borges Walê
Militante da Quilombo Xis Ação Cultural Comunitária
Articulador da II Marcha Contra o Genocídio do Povo Negro
Campanha Reaja ou Será Morto, Reaja ou Será Morta

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *