Caravana de Direitos Humanos deve olhar para os problemas estruturais das Unidades de Internação Socioeducativas

Home News and analyses Caravana de Direitos Humanos deve olhar para os problemas estruturais (...)

Nesta segunda-feira (21), o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, deu início à Caravana dos Direitos Humanos na Unidade de Internação Socioeducativa (Unis), de Cariacica, no Espírito Santo. O objetivo das visitas que vão percorrer instituições de privação de liberdade do Rio de Janeiro e Pernambuco é avaliar o cumprimento de medidas provisórias da Corte Interamericana de Direitos Humanos e que estão diretamente relacionadas às condições carcerárias, como superlotação, tortura, violência psicológica, entre outras práticas que violam os direitos humanos de adolescentes em estado de privação de liberdade.

O complexo onde está a unidade visitada pelo Ministro é formado por outras três unidades: uma feminina e duas masculinas, porém, somente a Unis é alvo de medidas provisórias que já perduram por 12 anos, acompanhadas pelo programa de Violência Institucional e Segurança Pública da Justiça Global. O caso foi peticionado em conjunto com o Centro de Defesa dos Direitos Humanos da Serra (CDDH).

Para a JG, que acompanha outras duas medidas outorgadas pela Corte IDH, no Maranhão e Pernambuco, as Medidas implementadas na Unis promoveram algumas melhorias na vida dos adolescentes da unidade, no entanto, as ações não têm sido efetivas para o sistema como um todo.

“Nós, da Justiça Global, acompanhamos o avanço da militarização nas unidades, o aprofundamento do uso de armamentos menos letais como instrumento de tortura, isso sem mencionar o racismo, do qual pouco se fala. É importante ressaltar que hoje, no estado do Espírito Santo, 95% dos adolescentes privados de liberdade são negros, portanto, mesmo com os mínimos avanços que as medidas provisórias da Corte proporcionaram à UNIS, ainda é necessário que o Estado promova soluções estruturais para problemas estruturais em todo o sistema socioeducativo do Brasil”, afirma a coordenadora do programa, Monique Cruz.