|  Por Glaucia Marinho

Justiça Global obtém status consultivo na ONU

Nesta quarta-feira, 26, a Justiça Global recebeu com muita satisfação um comunicado oficial da Organização das Nações Unidas (ONU) que anunciava a concessão de status consultivo especial à organização junto ao Conselho Econômico e Social (ECOSOC). O status consultivo é uma das principais formas de acesso da sociedade civil ao sistema da ONU. Para a Justiça Global é uma forma de reconhecimento do seu trabalho na defesa e promoção dos direitos humanos, que este ano completa 20 anos. A decisão foi outorgada após dois anos de submissão da candidatura para apreciação.

Sandra Carvalho, coordenadora da Justiça Global, destaca que “a aprovação do status consultivo nessa conjuntura de ataque aos direitos humanos e de fechamento de espaços de participação da sociedade civil é fundamental para darmos visibilidade internacional ao que vem acontecendo no Brasil”.

O Conselho Econômico e Social (ECOSOC) é o principal órgão coordenador das atividades econômicas, sociais e conexas dos 14 organismos especializados das Nações Unidas, das suas comissões técnicas e das suas cinco comissões regionais. É o principal fórum para a discussão de questões econômicas e sociais e a elaboração de recomendações práticas sobre essas questões dirigidas aos Estados-Membros e ao sistema das Nações Unidas.

Agora, a Justiça Global poderá participar ativamente das iniciativas do ECOSOC, inclusive fazendo pronunciamentos e propondo eventos paralelos durante suas sessões. Uma oportunidade extraordinária de incidir sobre o trabalho do Conselho e colaborar no monitoramento e aplicação dos acordos internacionais que o Brasil é signatário. O status consultivo também credencia a Justiça Global para participar das sessões do Conselho de Direitos Humanos da ONU.