|  Por camila

Líder indígena brasileira ganha prêmio de direitos humanos Robert Kennedy

BRASÍLIA (Reuters) – A líder indígena da Amazônia Alessandra Korap, da etnia munduruku, recebeu o prêmio Robert F. Kennedy de direitos humanos de 2020 por seu trabalho em defesa das terras, da cultura e dos direitos dos povos indígenas no Brasil.

O prêmio será entregue por Kerry Kennedy, filha do ex-senador norte-americano, em uma cerimônia virtual a partir de Washington, na qual o ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry fará um discurso.

“O prêmio não é apenas para mim, é pela luta do povo munduruku e de outros povos da floresta que pedem socorro, que gritam, mas não são ouvidos”, disse a indígena, de 36 anos, em entrevista por telefone.

Líder indígena da Amazônia Alessandra Korap, da etnia munduruku 21/11/2019 REUTERS/Ueslei Marcelino

Líder indígena da Amazônia Alessandra Korap, da etnia munduruku
21/11/2019
REUTERS/Ueslei Marcelino

O prêmio será importante para fortalecer a luta de seu povo para impedir a construção de hidrelétricas no rio Tapajós, na Amazônia, onde vivem os munduruku, e para obter o reconhecimento das terras de sua etnia, acrescentou

A condecoração ocorre no momento em que o governo do presidente Jair Bolsonaro tem enfraquecido os serviços de saúde e educação para os povos indígenas, além de fazer vista grossa para madeireiros ilegais e garimpeiros que invadem cada vez mais reservas protegidas e destroem florestas, acrescentou.

Bolsonaro defende uma política de integração dos povos indígenas à sociedade, com o argumento de tirá-los da pobreza.

O presidente transformou a Funai em uma “organização de agricultores” dirigida por indicados pelo lobby do agronegócio, que buscam expandir a agricultura comercial para terras indígenas, afirmou.

“Este prêmio traz fortalecimento, mostra que nós temos que continuar. Vamos gritar mais”, disse.

ARTIGO PUBLICADO POR ANTHONY BOADLE NA REUTERS. PARA VER CLIQUE AQUI.