|  Por Glaucia Marinho

Nota da Justiça Global sobre os 6 meses do assassinato de Marielle e Anderson

proposta de arteCompletaram-se seis meses do assassinato da vereadora e defensora dos direitos humanos Marielle Franco e Anderson Gomes e ainda seguimos sem respostas efetivas por parte das autoridades responsáveis pela investigação, mas firmes no compromisso de não deixarmos que essa brutal execução caia no esquecimento e entre para as trágicas estatísticas dos homicídios não elucidados no Brasil.

Queremos saber: quem matou e quem mandou matar Marielle e Anderson?

O atentado contra a vida de Marielle foi também um ataque às lutas travadas pelas mulheres negras contra o racismo, o machismo e as várias formas de exclusão, silenciamento e invisibilidade, bem como uma investida contra todas/os aquelas/es que ousam defender direitos em um dos países com os maiores índices de assassinatos de defensoras e defensores no mundo.

Estamos a pouco menos de um mês da eleição presidencial e é inadmissível que vivamos este momento sem que os responsáveis pelo assassinato de Marielle e Anderson tenham sido descobertos e responsabilizados. A campanha eleitoral nos traz uma preocupação de que as investigações sejam negligenciadas e colocadas em segundo plano.

Nos somamos a outras vozes e instituições, que frisam a importância e urgência do estabelecimento de um mecanismo externo e independente de monitoramento das investigações. O acompanhamento por especialistas em investigação e perícia, assegurada a ausência de conflito de interesses em relação a este caso, é essencial para averiguar a existência de algum tipo de negligência ou influencia indevida que impeça que a investigação seja feita com celeridade e os envolvidos responsabilizados.

Por isso, hoje, quando completa 6 meses dos seus assassinatos, reafirmamos: Aos nossos mortos nenhum minuto de silêncio, mas toda uma vida de luta! Não nos calarão! Marielle e Anderson, Presentes!