|  Por camila

Nota de pesar: Madalena Rocha, presente!

A Justiça Global se solidariza com o Movimento 11 de Dezembro, familiares e amigos de Maria Madalena Santos Rocha. Madalena, mais uma vítima da Covid-19, faleceu ontem, 14 de março.

 

3598EC7C-471E-4C9C-95AF-9A4EB7E81FB3

Madalena é mais uma vítima da falta de uma política de enfrentamento da pandemia e do negacionismo do governo Bolsonaro. Em 1998, as filhas Mônica, de vinte e dois anos; Fabiana, de catorze; e Adriana, de quinze, morreram durante a explosão criminosa de uma Fábrica de Fogos de Artifício em Santo Antônio de Jesus, no Recôncavo Baiano. Madalena tornou em luta o sofrimento e foi uma das líderes do 11 de Dezembro, movimento criado por vítimas e sobreviventes do massacre.

 

Em Outubro, ela se emocionou com a notícia da vitória da sua luta e do Movimento 11 de Dezembro sobre o Brasil, na Corte Interamericana de Direitos Humanos. Na sentença, a Corte reconheceu as violações sofridas por 60 vítimas fatais, e 6 pessoas feridas, num total de 66 vítimas da explosão. A decisão histórica reconheceu padrões de discriminação estrutural e intersecional para determinar a responsabilidade do Estado Brasileiro.

 

Em 11 Dezembro do ano passado, após a condenação do Brasil na Corte Interamericana de Direitos Humanos, e 22 anos após a explosão, O Movimento 11 de Dezembro, em um ato simbólico, soltou balões no céu, com os nomes de todas as vítimas da explosão. Madalena soltou 3 balões brancos, cada um representava uma de suas filhas. Sentimos muito pela perda de Madalena, uma mãe guerreira e querida, que engrandeceu a luta pelos direitos humanos no Brasil.

 

Madalena Rocha, PRESENTE.