|  Por Glaucia Marinho

V Homenagem Maria do Espírito Santo Silva – Pela valorização das defensoras de DH’s

 

Em novembro desse ano a Justiça Global completa 20 anos de existência. Ao olharmos para nossa trajetória verificamos que o compromisso com a proteção e visibilização de lutas de defensoras e defensores de direitos humanos está presente desde nossa fundação. Foi nesse sentido que nos dedicamos a colaborar com a adoção de uma política pública de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos e participamos da constituição e fortalecimento do Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos.

Nessa caminhada, identificamos um número significativo de defensoras e defensores que são atacadas/os, ameaçadas/os, assassinadas/os, criminalizadas/os ou que estão vulnerabilizados em razão das lutas que travam.
Constatamos também que a violência que as defensoras de direitos humanos estão submetidas tem contornos específicos, muitas vezes invisibilizados em um contexto geral de violência. Em diversos casos os ataques estão diretamente relacionados ao fato de serem mulheres. Ataques morais, silenciamentos, violência sexual, deslegitimação de seu papel político, inferiorização, não reconhecimento de direitos, como os sexuais e reprodutivos, identidade de gênero e orientação sexual são apenas alguns exemplos das violações sofridas quando se é uma defensora de direitos humanos. Nesse sentido, é fundamental construir iniciativas que fortaleçam a luta das nossas defensoras. Pensando nisso, instituímos em 2014 uma homenagem anual às defensoras, a Homenagem Maria do Espírito Santo Silva – Pela Valorização das Defensoras de Direitos Humanos. Desde então, a Justiça Global tem a honra de homenagear, a cada ano, mulheres que estão na linha de frente pelos direitos humanos no Brasil.

homenagemJG_convite[fb_ig_wpp]

Nesta edição, celebraremos a luta de:

Ana Lúcia de Oliveira – Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência, do Rio de Janeiro.

Ayala Ferreira – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), no Pará.

Cacica Cátia Tupinambá – Líder da Terra Indígena Tupinambá de Belmonte, no sul da Bahia.

Deborah Sabará – Grupo Orgulho, Liberdade e Dignidade (Gold), do Espirito Santo.

Laura Ramos de Azevedo – Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência, do Rio de Janeiro.

Maria Tereza dos Santos – Associação de Amigos e Familiares de Pessoas em Privação de Liberdade, Minas Gerais.

Rosângela Rocha – Movimento 11 de Dezembro em Santo Antônio de Jesus, Bahia.

Leia aqui a publicação com a história de luta de cada uma das homenageadas. Convidamos todas e todos para celebrar a luta dessas defensoras, em um uma noite de confraternização e musica com o Margarete Mendes, a negona do axé, e Banda Mojubá. A V Homenagem Maria do Espírito Santo Silva – Pela Valorização das Defensoras de Direitos Humanos acontecerá na próxima quinta-feira, dia 28 de Março, a partir das 18h30, no Centro Cultural Memórias do Rio, localizado na Rua Gomes Freire, 289, Centro, Rio de Janeiro.


Maria do Espírito Santo foi assassinada em 2011 junto com seu companheiro José Claudio Ribeiro da Silva, em Nova Ipixuna, Pará, por denunciar ações ilegais de madeireiros e carvoeiros na região.