RPU: Situação dos Direitos Humanos no Brasil será avaliada pela ONU

Início Notícias e análises RPU: Situação dos Direitos Humanos no Brasil será avaliada pela (...)

 

 

Em 2017, o Brasil será submetido pela terceira vez à Revisão Periódica Universal (RPU) do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. Este é um mecanismo pelo qual os Estados-membros da ONU são avaliados por seus pares quanto à situação de proteção aos direitos humanos no país.

 

imagem_rpu

 

O processo de avaliação da RPU toma por base três tipos de documentações distintas. O primeiro é o relatório produzido pelo país em avaliação, no qual o Estado aponta a situação dos direitos humanos no contexto atual, sobretudo desde a última rodada de avaliação a qual foi submetido. O segundo é a documentação produzida pelos órgãos e mecanismos especiais das Nações Unidas sobre a situação dos direitos humanos naquele Estado. O terceiro rol de documentos consiste em compilações preparadas pelas Nações Unidas a partir dos relatórios-sombra enviados pela sociedade civil sobre o Estado em avaliação.

 

É, portanto, de grande importância a contribuição de organizações, coletivos, redes e movimentos da sociedade civil no processo de Revisão Periódica Universal ao qual o Brasil irá se submeter. O trabalho e as análises feitas por essas entidades são fundamentais para a efetiva caracterização do contexto de violações de direitos humanos que ocorre no Brasil, sendo fundamentais para embasar as recomendações que os demais Estados-Membros farão ao Brasil, com o objetivo de aumentar o grau de proteção existente no país.

 

Com o propósito de incidir no próximo período de Revisão Periódica Universal, a  Justiça Global enviou, durante o mês de outubro, cinco relatórios-sombra ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. Os documentos foram escritos em parceria com diversas organizações e redes, e abordam a crítica situação de violação de direitos humanos hoje no país, em quatro temas distintos: Justiça Juvenil, Sistema Prisional, Direitos Indígenas e Defensores de Direitos Humanos. Os relatórios também trazem recomendações ao Estado Brasileiro, como forma de embasar a atuação dos Estados-Membros da ONU que estarão encarregados de formular as suas próprias recomendações ao Brasil.

 

Veja, a seguir, as recomendações enviadas em cada tema, e acesse os documentos na íntegra:

 

 

RPU_sistemaprisional

 

Recomendações enviadas pela Justiça Global, GAJOP – Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares, Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente – ANCED/Seção DCI Brasil, Organização Mundial Contra a Tortura– OMCT, Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ceará – CEDECA CEARÁ, Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Bertholdo Weber – CEDECA PROAME e Rede Nacional de Defesa do Adolescente em Conflito com a Lei – RENADE. 

 

Acesse o documento na íntegra

 

1. Que sejam reforçadas as políticas relacionadas ao combate ao racismo, principalmente medidas eficazes que impeçam a permanência do genocídio do povo negro e do superencarceramento de jovens negros.

 

2. Que o Estado brasileiro não aprove projetos legislativos que visem ampliar a criminalização de adolescente, que reduzam a maioridade penal, ou que aumentem o tempo de cumprimento de medidas socioeducativas de internação, evitando-se, assim, o agravamento a seletividade punitiva que encarcera, massiva e principalmente, jovens negros.

 

3. Que sejam respeitados os princípios da brevidade e excepcionalidade da medida socioeducativa, que vem reforçando o encarceramento dos jovens negros.

 

4. Que sejam garantidas condições salubres para as unidades socioeducativas, com a imediata redução da superlotação, tendo em vista que adolescentes vem sendo submetidos a condições desumanas e cruéis no cumprimento de medidas socioeducativas.

 

5. Que se interrompa o uso de medida de internação provisória, que vem arbitrariamente internando adolescentes antes do transito em julgado de sua sentença, violando assim o principio da presunção de inocência.

 

6. Que não sejam aplicadas medidas ilegais de internação por períodos superiores a lei e/ou em razão de atos infracionais para os quais esta medida não seria cabível, como no caso de tráfico de drogas.

 

7. Que se garanta a assistência jurídica adequada a socioeducandos e adolescentes, através do fortalecimento da defensoria pública.

 

8. Que se interrompa a prática de tortura dentro das unidades socioeducativas, de modo que o Estado brasileiro responsabilize-se pela efetivação dos direitos humanos das crianças e adolescentes, assim como os compromissos internacionais assumidos pelo Brasil no que se refere ao combate a tortura.

 

9. Que a Policia Militar seja extinta, conforme proposto pela ONU, incluindo a desmilitarização do judiciário e dos demais atores de segurança pública, cuja estrutura vem sendo um dos grandes dispositivos impulsionadores do genocídio do povo negro e do encarceramento em massa da juventude negra.

 

10. Que seja definida nacionalmente uma metodologia de análise das causas da reincidência, preferencialmente de forma a contemplar tanto a reincidência específica no sistema socioeducativo quanto a reincidência cruzada com o sistema penitenciário.

 

11. Que sejam realizadas modificações profundas na função dos agentes socioeducativos, a partir de um levantamento nacional, de forma a compreender como vem sendo desempenhadas as suas funções dentro das unidades e em que medida há uma integração desses funcionários com as equipes técnicas. Além disso, é importante precisar qual a sua contribuição para o processo socioeducativo, como é feito o processo seletivo e a sua capacitação, incluindo um panorama das remunerações em todo o território nacional, priorizando, em todo este processo, a escuta aos agentes socioeducativos.

 

12. Que seja criado um parâmetro nacional sobre os procedimentos disciplinares, para apurar as supostas faltas cometidas pelos adolescentes durante o cumprimento da medida, de modo a garantir uma uniformização nos estados.

 

13. Que seja abolida a prática degradante da revista vexatória aos familiares dos adolescentes internados nas unidades socioeducativas.

 

14. Que haja um padrão claro com relação aos procedimentos e ações que devem ser seguidos em caso de rebeliões, sobretudo em unidades de internação, buscando oferecer um olhar pedagógica e socioeducativa sobre as causas destes distúrbios.

 

15. Que seja elaborado um banco de dados nacional, atualizado regularmente, sobre as mortes de adolescentes e jovens ocorridas dentro das unidades de internação, bem como sobre as mortes ocorridas pouco tempo depois da saída da internação.

 

16. Que o Estado Brasileiro depreenda esforços para a produção de provas em casos de tortura e crimes contra adolescentes e jovens, em especial quando as vítimas são internos das unidades socioeducativas, afastando do sistema e responsabilizando os autores por esses crimes.

 

17.  Que seja rapidamente apurada a responsabilidade individual daqueles que violam os direitos de adolescentes em conflito com a lei, sobretudo internos do sistema socioeducativo, nos três âmbitos jurídicos: administrativo, cível e penal.

 

18. Que o Estado Brasileiro reconheça a responsabilidade em todos os casos de violência contra adolescentes e jovens dentro das unidades de internação, principalmente em casos de morte, de tortura, de maus tratos, de abuso sexual ou de qualquer outra violação à integridade física e psíquica do sujeito, fazendo a reparação civil dos familiares e da vítima pelas violações de direito sofridas quando estava sob a tutela do Estado.

 

 

RPU_sistemaprisional

 

Recomendações enviadas pela Rede Justiça Criminal, formada por sete organizações: Associação pela Reforma Prisional, Conectas Direitos Humanos, Instituto de Defensores de Direitos Humanos, Instituto de Defesa do Direito de Defesa,  Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Justiça Global, Instituto Sou da Paz.

 

Acesse o documento na íntegra

 

1. Garantia da continuidade do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), com aprimoramento dos métodos utilizados para a coleta e sistematização de dados  e estabelecimento de um padrão nacional para a coleta de dados com predefinição de critérios, periodicidade e metodologia.

 

2. Manutenção de uma base de dados aberta sobre o sistema de justiça criminal, com as seguintes características: público, atualizado, com cobertura nacional e respeitando critérios de diversidade.

 

3. Promover a implemantaçào dos Mecanismos Estaduais de Prevenção e Combate à Tortura, de acordo com o Protocolo OPCAT III.

 

4. Atestar a falência das experiências de privatização de estabelecimentos prisionais e sua incapacidade de garantir os direitos dos presos, e evitar a reprodução de modelos que aumentem as violações de direitos nas prisões.

 

5. Aprovar com urgência o Projeto de Lei  5654/2016, que proíbe o uso de algemas antes, durante e depois do parto em mulheres em privação de liberdade.

 

6. Aprovar com urgência os Projetos de Lei 7764/14 e 404/2015, que proíbem a revista vexatória nos sistemas prisional e socio-educativo, e garantir a sua efetiva implementação

 

7. Incluir provisões relativas às Regras de Bankok no treinamento de profissionais do sistema de justiça criminal, como promotores, defensores públicos, juízes e agentes policiais.

 

8. Garantia do cumprimento da decisão do STF na ADPF 347, que determina a imediata realização de audiências de custódia em todo o país.

 

9. Aprovar com urgência o Projeto de Lei 554/2011, preservando seu texto original elaborado em conjunto com a sociedade civil, de forma a garantir que o preso seja levado à presença de um juiz em prazo de 24h desde a prisão.

 

10. Garantir que os estados federativos tenham recursos humanos e financeiros que necessários à implementação das audiências de custódia em todos os municípios, e para oferecer as qualificações necessárias aos profisionais do sistema de justiça.

 

11. Com o objetivo de garantir transparência, criar protocolos de ramazenamento e publicação de dados sobre as audiências de custódia, considerando especialmente o direito à defesa e o fim da violência policial, e salvaguardando a privacidade dos acusados.

 

12. Formulação de um sistema nacional de informações sobre o cumprimento e aplicação de  penas alternativas, que utilize os mesmos critérios do banco de dados do sistema prisional.

 

13. Incorporar à legislação nacional as últimas recomendações aceitas na Sessão Especial da Assembleia Geral das Nações Unidas, em especial as que se referem à priorização de penas alternativas para crimes da lei de drogas praticados sem uso de violência.

 

RPU_defensores

 

Recomendações elaboradas pelo Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos, e enviadas pelas organizações que compõem o seu grupo animador:  Artigo 19, Comissão Pastoral da Terra – CPT, Conselho Indigenista Missionário – CIMI,  Justiça Global,  Movimento Nacional de Direitos Humanos e  Sociedade Maranhense dos Direitos Humanos, Terra de Direitos.

 

Acesse o documento na íntegra

 

1. Acelerar a tramitação e a aprovação do PL 4575/2009 que regulamenta o PPDDH na Câmara dos Deputados e esta pronto para ir ao plenário.

 

2. Implementar imediatamente o Plano Nacional de Proteção às Defensoras e Defensores.

 

3. Ampliar a estrutura e o orçamento do PPDDH no âmbito da SDH, como ministério, a fim de garantir a proteção das defensoras e dos defensores de direitos humanos enquanto política de Estado.

 

4. Criar, no âmbito do PPDDH da SDH, um mecanismo de articulação entre os diversos órgãos de estado responsáveis pelo enfrentamento das causas estruturais que geram as violações no contexto em que os defensores e defensoras estão inseridos.

 

5. Implementar um plano de trabalho junto às instituições do sistema de justiça e segurança pública voltado para o monitoramento e acompanhamento, das ações judiciais e inquéritos policiais que envolvam defensoras e defensores, seja para a apuração das violações e ameaças, seja para garantir assessoria jurídica para os casos de criminalização da sua luta em defesa dos direitos humanos.

 

6. Ampliar e desburocratizar a parceria nos estados federados para além da celebração de convênios, e buscar novas formas de execução da política de proteção às defensoras e os defensores.

 

7. Aperfeiçoar a metodologia de proteção, no sentido de atender a grupos e comunidades pelas quais lutam as defensoras e os defensores, em especial os povos e comunidades tradicionais.

 

8. Articular políticas sociais que atendam a dimensão da proteção social das defensoras e dos defensores de direitos humanos inseridos no Programa, como assistência médica, psicológica e previdenciária, por exemplo.

 

9. Criar e capacitar unidades policiais especializadas para a proteção das defensoras e dos defensores de direitos humanos, bem como órgãos e procedimentos especializados para o recebimento e processamento de denúncias apresentadas pelas defensoras e defensores de direitos humanos.

 

10. Realizar ampla campanha de reconhecimento e valorização das defensoras e dos defensores de direitos humanos, além de melhorar a divulgação e as informações sobre o PPDDH no site e materiais institucionais do governo.

 

11. Criar, em caráter emergencial, um mecanismo do PPDDH específico para atender a demanda dos Estados federados  da Amazônia e do Mato Grosso do Sul, envolvendo órgãos nacionais e regionais.

 

12. Criação de metodologia especifica para atuar com defensoras de direitos humanos.

 

13. Respeitar e aplicar a Convenção 169 da OIT, que assiste em sua totalidade os direitos dos povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais. O direito a consulta prévia, livre e informada sobre atos que possam sobrepor seus territórios é uma das garantias previstas no tratado.

 

RPU_direitos indígenas

 

Recomendações enviadas pelo Conselho Indigenista Missionário – CIMI,  FIAN Brasil, JUSTIÇA GLOBAL e Associação dos Juízes pela Democracia.

 

Acesse o documento na íntegra

 

1. O Estado Brasileiro deve pôr fim à morosidade administrativa dos processos de demarcação das terras indígenas, fator que impede a realização dos demais direitos humanos de tais povos e é o fator principal na relação do aumento da criminalização e violência contra os povos indígenas de todo o país.

 

2. O Estado Brasileiro deve focar na efetiva investigação e punição dos culpados pelos violentos ataques a que têm sido submetidos os povos indígenas no país, bem como na proteção direta aos indígenas, quando se mostrem necessários.

 

3. As invasões de Terras Indígenas já demarcadas, bem como a retirada de bens comuns de tais territórios (a exemplo de madeira e minerais) demonstram a omissão do Estado Brasileiro, que deve oferecer proteção direta, imediata e real aos povos indígenas e às terras indígenas, sempre que se apresentar risco e tendo em vista a natureza destas invasões.

 

4. Assegurar aos povos indígenas o direito de participarem de todos os processos judiciais em curso e futuros, que possam impactar seus direitos, particularmente o concernente ao direito à terra, ao território e recursos tradicionais.

 

5. Assegurar que órgão próprio do Estado/Judiciário (CNJ) estabeleça metas de atuação para todo o Brasil, priorizando os processos que tratam dos povos indígenas, especialmente os referentes às demarcações de terras, tendo em vista, o evidente retardo na prestação jurisdicional.

 

6. Assegurar que todos os operadores do Sistema de Justiça, especialmente os magistrados, sejam capacitados a atuar na temática de direitos humanos dos povos indígenas, levando-se em conta a normativa internacional e regional, realizando capacitação permanente, através da Escola do Poder Judiciário, campanhas do CNJ, e outras vias e, especialmente, para que a aplicação do direito seja compatível com o regramento de proteção aos povos indígenas.

 

7. Recomendar que sejam realizadas campanhas, no mínimo anuais,  de informação e esclarecimento à população do país,  sobre os povos indígenas, com a participação deles,  como contra cultura ao clima de ódio que se instaura e para combater o racismo estrutural e estruturante do Estado Brasileiro.

 

 

Recomendações enviadas pelas articulações Associação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB, RCA – Rede de Cooperação Amazônica e Plataforma de Direitos Humanos – DHesca Brasil.

 

Acesse o documento na íntegra

 

 

Aceitação de normas internacionais 

 

1. Ratificar a Convenção de Minamata e incluir o levantamento  de dados específicos sobre os efeitos adversos do mercúrio para a saúde indígena e o meio ambiente das terras indígenas.

 

2. Manter diálogos com países fronteiriços para evitar a contaminação por mercúrio nos rios da bacia amazônica.

 

Cooperação com outros mecanismos internacionais e instituições

 

3. Implementar as recomendações da Relatora Especial da ONU sobre os direitos dos povos indígenas e estabelecer mecanismos de monitoramento com a participação dos povos indígenas e da sociedade civil.

 

4. Elaborar um Plano Nacional de Ação para a implementação e monitoramento dos compromissos relativos ao resultado da Conferência Mundial sobre Direitos Indígenas em diálogo com os povos indígenas, Fundação Nacional do Índio, Conselho Nacional de Direitos Humanos e com o Conselho Nacional de Política Indigenista.

 

Cooperação inter-estatal e assistência para o desenvolvimento

 

5. Compartilhar boas práticas e dialogar com países vizinhos para a implementação de ações e políticas de proteção de ações transfronteiriças de promoção e defesa dos direitos indígenas com especial atenção para a situação de povos indígenas isolados e de recente contato

 

6. Garantir a participação indígena, por meio de suas organizações representativas, nos espaços bilaterais de negociação do Brasil com os países de fronteira.

 

Estrutura Constitucional e Legislativa

 

7. Garantir a manutenção e o fortalecimento dos direitos constitucionais indígenas respeitando os padrões internacionais de proteção dos direitos humanos.

 

8. Não revogar atos e normativas de reconhecimento de direitos territoriais indígenas

 

9. Garantir que eventual regulamentação dos processos de consulta não restrinja o exercício do direito, nem seja contrária aos princípios de pluralidade e autonomia dos povos indígenas, quilombolas e tradicionais

 

10. Garantir que a discussão sobre a regulamentação ou normatização do direito de consulta aos povos indígenas seja dialogada e devidamente consultada, priorizando a orientação à administração para gerar melhores condições para a efetiva implementação do direito, e de modo a respeitar a autonomia dos povos indígenas e quilombolas, inclusive quanto a seus protocolos de consulta quando for o caso

 

Instituições e políticas públicas

 

11. Incluir a temática indígena nos relatórios de direitos humanos em diálogo com o Conselho Nacional de Política Indigenista e o Conselho Nacional de Direitos Humanos.

 

12. Incentivar e e fortalecer a atuação do Conselho Nacional de Política Indigenista e do Conselho Nacional de Direitos Humanos, garantindo a participação de representantes indígenas para monitorar, avaliar e aprimorar políticas que garantam o cumprimento das obrigações de direitos humanos e observando as especificidades dos povos indígenas.

 

13. Priorizar o fortalecimento das ações e do órgão indigenista federal (FUNAI) e do Ministério Público Federal (MPF) para a promoção e defesa dos direitos humanos dos povos indígenas com especial atenção para os direitos territoriais e para a autonomia dos povos indígenas e sua colaboração no monitoramento nacional e internacional de direitos humanos.

 

14. Garantir condições institucionais e adotar medidas urgentes e programas específicos contínuos para a proteção aos defensores de direitos humanos indígenas, com especial atenção para a situação dos defensores de direitos humanos em estados que não integraram ao Programa Federal de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos

 

15. Avançar para a superação de posturas tutelares e coloniais do Estado com relação aos povos indígenas por meio da implementação de planos nacionais e ações que visem a proteção de direitos e a a adequação de política sociais, econômicas e ambientais de modo a fazer respeitar as línguas, culturas e modos de vidas diferenciados dos povos indígenas.

 

16. Estabelecer mecanismos e cooperações para produzir regularmente dados, estatísticas e análises específicas sobre as realidades e os contextos de vulnerabilidade dos povos indígenas nas diferentes regiões do país

 

17. Ampliar o conhecimento das diferentes instituições de governo sobre direitos indígenas e adotar medidas que reconheçam e garantam os direitos indígenas no contexto de grandes empreendimentos e exploração de recursos naturais.

 

18. Implementar as recomendações do Conselho Nacional de Direitos Humanos, particularmente relacionadas à situação de violação de direitos humanos no caso da UHE Belo Monte/PA, da Barragem de Saramago em Mariana/MG e dos povos indígenas da região sul do Brasil/RS, SC e PR.

 

Educação em Direitos Humanos

 

19. Oferecer treinamentos sistemáticos a juízes, promotores e defensores sobre direitos indígenas, inclusive sobre direitos territoriais, direito à convivência familiar e comunitária e sobre a implementação do direito de participação, consulta, autonomia e desenvolvimento.

 

20. Implementar campanhas de educação e conscientização contra o racismo e a discriminação e sobre os direitos dos povos indígenas  e adotar legislações específicas de proteção desses direitos alinhadas com as proteções internacionais de direitos humanos.

 

21. Promover ações de aproximação e aprofundamento do conhecimento de Ministros e Juízes sobre os direitos específicos dos povos indígenas e as proteções de direitos humanos considerando os contextos locais e regionais.

 

22. Garantir orientações nacionais sobre direitos indígenas para a educação em direitos humanos nas escolas e repartições públicas buscando participação e cooperação com organizações e povos indígenas.

 

 Não-discriminação

 

23. Atender às recomendações da OIT para dar continuidade aos esforços de garantir plena igualdade de oportunidade e tratamento para mulheres, afro-descendentes e pessoas indígenas, bem como combater e punir a discriminação.

 

24. Combater a desigualdade no acesso de pessoas indígenas a empregos e condições de trabalhos, especialmente com relação à contratação de professores e outros profissionais indígenas nas diferentes áreas, de acordo com a realidade local.

 

25. Criar programas específicos para incentivar empresas e órgãos públicos a contratar mulheres, afrodescendentes e indígenas.

 

26. Garantir políticas públicas e o atendimento de qualidade aos povos indígenas no acesso a  todos os seus direitos econômicos, sociais e culturais, independentemente da situação de regularização fundiária de seus territórios.

 

Discriminação Racial

 

27. Implementar sanções administrativas, políticas, civis e criminais a parlamentares ou figuras públicas que cometam atos de discriminação e racismo contra indígenas.

 

28. Adotar medidas contínuas para prevenir e punir discursos e ações racistas por parte de autoridades públicas contra povos indígenas, com especial atenção para as regiões Sul, Centro-Oeste e Nordeste do país.

 

29. Investigar e punir sistematicamente os casos de racismos e de violências fundada em racismo praticados contra pessoas e comunidades indígenas.

 

30. Atuar junto a autoridades estaduais e municipais para o enfrentamento do racismo e da discriminação contra povos indígenas em localidades que já apresentaram casos emblemáticos de racismo.

 

Direito à vida, execuções, desaparecimentos forçados, tortura e tratamentos cruéis e degradantes

 

31. Adotar medidas integradas entre governos estaduais e federal para garantir maior responsabilização para prevenir mortes e homicídios com especial atenção para a situação no campo e dos povos indígenas.

 

32. Adotar medidas urgentes e efetivas em nível federal e estadual para conter a ação de grupos armados ou milícias que atacam comunidades indígenas, com especial atenção para a situação no Mato Grosso do Sul, Paraná e Bahia.

 

33. Adotar medidas para prevenir e combater a tortura nos níveis estadual e federal e adotar medidas de reparação e retração pelas comprovadas violências e torturas cometidas pelo Estado contra pessoas e povos indígenas.

 

34. Investigar e punir casos de mortes de lideranças indígenas em contexto de disputa territorial.
Adotar medidas específicas para combater a impunidade em casos de agressão e morte de pessoas indígenas.

 

Justiça e impunidade

 

35. Criar mecanismos para recebimento de denúncias e condução de investigações imparciais de casos de prisões arbitrárias, atos de racismo e mortes de indígenas resultando na efetiva responsabilização de agentes públicos envolvidos.

 

36. Dar seguimento e consequências aos processos de busca da verdade e da justiça de transição envolvendo violações de direitos cometidas contra pessoas e povos indígenas e adotar medidas para prevenir, reparar e compensar violações de direitos humanos cometidas contra pessoas e povos indígenas, implementando as recomendações da Comissão Nacional da Verdade

 

37. Adotar medidas para reparar e compensar violações de direitos humanos contra os povos indígenas Guarani, Cinta Larga, Waimiri-Atroari,Tapayuna, Yanomami, Xetá, Panará, Parakanã, Xavante de Marãiwatsédé, Araweté e Arara, tal como identificadas pela Comissão Nacional da Verdade.

 

38. Adotar medidas urgentes para prevenir, punir e reparar ataques violentos e ou racistas contra comunidades indígenas, com especial atenção para os estados da Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

 

39. Responsabilizar administrativa, civil e criminalmente os agentes de Estado que deliberadamente ou sem justificativa retraem os procedimentos de demarcação de terras indígenas.

 

Violações de direitos humanos por agentes de Estado

 

40. Apurar a responsabilidade administrativa, civil e criminal de agentes públicos envolvidos em ações e omissões que violam direitos humanos dos povos indígenas, inclusive colocando comunidades indígenas em situação de vulnerabilidade extrema.

 

Condições das prisões

 

41. Identificar a situação da população carcerária indígena no país e adotar medidas que garantam condições adequadas de detenção; o devido processo legal; e a defesa de pessoas e comunidades indígenas, inclusive com a garantia de representantes indígenas em júris criminais.

 

42. Monitorar a situação de criminalização e encarceramento de lideranças indígenas no contexto de luta por direitos territoriais.

 

43. Aplicar penas alternativas a réus indígenas e regimes especiais de cumprimento de pena nos termos da lei e de modo a considerar a organização social, os usos e os costumes dos povos indígenas.

 

Proibição da escravidão e tráfico de pessoas

 

44. Estabelecer a cooperação nacional entre atores relevantes, bem como a cooperação internacional, a fim de combater tanto o tráfico interno e internacional quanto a exploração sexual de mulheres e crianças com especial atenção para a situação de pessoas indígenas e na faixa de fronteira.

 

45. Investigar, punir e adotar campanhas para prevenir casos e situações de escravidão praticada contra pessoas indígenas.

 

46. Criar órgãos ou mecanismos específicos nos órgãos já existentes para a fiscalização, prevenção e combate à exploração do trabalho, turismo sexual e tráfico de pessoas indígenas, especialmente em zonas rurais e regiões de fronteira.

 

Administração da Justiça e acesso à justiça

 

47. Facilitar o acesso à justiça dos povos indígenas na defesa de seus direitos individuais e coletivos adotando medidas específicas para o atendimento em áreas rurais inclusive garantindo o uso das línguas indígenas

 

48. Assegurar a atuação de Defensores Públicos Federais na defesa de pessoas e comunidades indígenas e particularmente para a garantia do devido processo legal em casos criminais envolvendo pessoas indígenas.

 

49. Garantir a disponibilidade de defensores públicos federais a fim de reforçar as garantias do devido processo legal para povos indígenas em processos envolvendo direitos territoriais e outros direitos humanos.

 

50. Avaliar a situação e adotar medidas para garantir o acesso à Justiça aos povos indígenas promovendo ações de conscientização de operadores de direito sobre as especificidades dos povos indígenas.

 

51. Democratizar o poder judiciário garantindo o acesso dos povos indígenas às carreiras jurídicas por meio de ações afirmativas.

 

52. Revogar a Portaria nº. 303 e subsequentes da AGU e retomar os processos de demarcação de terras indígenas com a devida defesa dos direitos indígenas pelas Procuradorias Federais Especializadas da Funai

 

53. Adotar medidas para impedir a criminalização e encarceramento de lideranças indígenas

 

54. Revisar a legislação que ampara o uso de recursos como a suspensão de liminar e antecipação de tutela comprometendo a aplicação do direito de consulta dos povos indígenas nas decisões administrativas que os afetam

 

55. Reconhecer, reparar e indenizar as violações de direitos humanos dos povos indígenas decorrentes da ação, atraso ou omissão do Estado, inclusive do sistema de justiça, relacionados à proteção de direitos territoriais indígenas

 

56. Reconhecer sistemas de justiça e de resolução de conflitos próprios dos povos indígenas quando existentes.

 

Liberdade de opinião e expressão. Liberdade de associação, crença e religião

 

57. Destinar recursos para e implementar ações de prevenção de práticas de racismo e discriminação racial contra povos indígenas.

 

58. Estabelecer procedimentos oportunos e proporcionais para garantir o direito de resposta e a liberdade de opinião e expressão dos povos indígenas junto aos meios de comunicação.

 

59. Garantir direito de uso das línguas indígenas em espaços públicos ou privados, como forma de liberdade de expressão dos povos indígenas

 

60. Além de ampliar as ações de registro e documentação de línguas indígenas, desenvolver mecanismos e ações para fortalecer e proteger as línguas indígenas contra o risco de perda ou extinção.

 

61. Respeitar e proteger o uso da língua indígena nas escolas indígenas.

 

62. Garantir o acesso dos povos indígenas aos recursos naturais necessários às suas práticas espirituais, religiosas e culturais.

 

63. Demarcar e proteger as terras indígenas e lugares sagrados necessários a suas práticas espirituais, religiosas e culturais.

 

Direitos relacionados à identidade, nacionalidade e documentação civil

 

64. Dar continuidade às ações e políticas para garantir o direito de documentação básica de pessoas indígenas, garantindo-se o uso de nomes indígenas de acordo com seus costumes e tradições.

 

65. Garantir o direito de registro de nascimento de crianças indígenas que nascem em terras indígenas e o registro tardio de nascimento de adultos indígenas.

 

Direito de participação na vida pública e direito de voto

 

66. Adotar políticas de ação afirmativa para ampliar a representação indígena, inclusive de mulheres indígenas, nos poderes executivo, legislativo e judiciário em todos os níveis da federação.

 

67. Garantir a participação efetiva de representantes dos povos indígenas nos espaços colegiados de consulta e deliberação do poder executivo em todos os níveis de governo.

 

Direitos econômicos, sociais e culturais

 

68. Demonstrar avanços no programa de reforma agrária e aos processos de demarcação de terras indígenas em todo o país e com especial atenção às regiões centro-sul e  nordeste do país.

 

69. Evitar sobreposições de assentamentos de reforma agrária e demarcação de terras indígenas de forma a prevenir conflitos no campo.

 

70. Coordenar os processos de reconhecimento de direitos territoriais e demarcação de terras indígenas, quilombolas e de comunidades tradicionais de modo a evitar conflitos no campo.

 

71. Garantir os direitos econômicos sociais e culturais dos povos indígenas por meio da implementação de políticas públicas de proteção territorial, e de respeito e fortalecimento socio-cultural e ambiental nas terras indígenas.

 

Direito a um padrão de vida adequado

 

72. Aplicar indicadores social e culturalmente adequados para aprimorar políticas de redução da pobreza voltadas a povos indígenas, garantindo o acesso dos povos às terras indígenas e protegendo-os de intimidações, ameaças, mortes e despejos.

 

73. Garantir a adequação cultural de programas sociais, como o Bolsa família, contemplando a participação dos povos indígenas na sua formulação, execução e avaliação.

 

74. Reconhecer e valorizar modos de vidas indígenas na concepção de programas de inclusão social.

 

75. Continuar os esforços para demarcar as terras indígenas e eliminar as vulnerabilidades de povos indígenas em situação de extrema pobreza.

 

Direito à alimentação e moradia adequados

 

76. Adotar medidas urgentes para a garantia da segurança alimentar dos povos indígenas com particular atenção para os casos de insegurança alimentar causados pela falta de demarcação de terras indígenas

 

77. Adotar medidas urgentes para a garantia da segurança alimentar dos povos indígenas em terras demarcadas mas sem condições adequadas de sustentação física e cultural.

 

78. Adotar medidas urgentes para a garantia da segurança alimentar dos povos indígenas afetados e pela expansão de monoculturas no entorno de terras indígenas, inclusive com envenenamento se águas, solos e ar.
79. Reduzir os índices de mortalidade e desnutrição infantil indígena e a disparidade entre os índices da população indígena e não-indígena.

 

80. Garantir o direito à moradia culturalmente adequada para a população indígena que mora nas áreas urbanas e garantir que os programas de habitação popular urbana contemplem as especificidades dos povos indígenas.

 

81. Garantir condições de moradia adequada a povos indígenas com especial atenção à situação de vulnerabilidade de comunidades indígenas em acampamentos aguardando a demarcação de terras indígenas.

 

82. Acelerar os processos de demarcação de terras indígenas de comunidades que se encontram em situação de vulnerabilidade devido à falta de acesso ao direito de moradia adequada.

 

Direito à saúde

 

83. Garantir efetivamente serviços de saúde gratuitos, de qualidade, específicos e diferenciados para povos indígenas por meio do Sub-sistema de Saúde Indígena, fortalecendo a Secretaria Especial de Saúde

 

84. Indígena e o Sistema Único de Saúde para o atendimento de média e alta complexidade de pessoas indígenas e ampliar a cobertura de vacinas na população indígena.

 

85. Reduzir mortalidade infantil e materna promovendo medidas de assistência médica pré-natal e no momento do parto que sejam social e culturalmente adequadas às mulheres indígenas, sem a imposição da realização de cirurgias cesarianas.

 

86. Demonstrar avanços no sentido de reconhecer, valorizar e incorporar as práticas e conhecimentos tradicionais dos povos indígenas nos processos de atendimento médico e de saúde e avançar na implementação de saneamento básico em terras indígenas considerando as especificidades culturais dos povos.

 

87. Desenvolver um programa específico para atendimento à saúde de mulheres indígenas considerando suas especificidades culturais.

 

88. Fortalecer a Secretaria Especial de Saúde Indígena e adotar medidas para garantir a participação indígena autônoma no mecanismo de controle social das políticas de saúde indígena sem interferências política partidária.

 

89. Garantir o acesso à saúde de indígenas nas cidades e em seus territórios, independente da situação fundiária em que se encontre.

 

90. Adotar programas de formação de indígenas em ciências da saúde para atuar dentro de seus territórios.

 

Direito à educação

 

91. Respeitar os modos de vidas e os projetos político-pedagógicos dos povos indígenas.

 

92. Garantir o cumprimento da legislação nacional de educação escolar indígena por meio da implementação efetiva dos territórios etnoeducacionais; monitoramento e controle social dos recursos aplicados na educação escolar indígena; e contratação de professores indígenas por meio de concursos diferenciados.

 

93. Adotar medidas administrativas e legislativas para garantir direitos trabalhistas e isonomia salarial para professores indígenas.

 

94. Demonstrar avanços na oferta de matrículas no ensino médio bilíngue e intercultural nas escolas das aldeias indígenas

 

95. Demonstrar avanços nos programas e projetos de elaboração e publicação de materiais didáticos bilíngues, valorizando as línguas, culturas e conhecimentos tradicionais dos povos indígenas.

 

96. Adotar medidas urgentes para oferecer e adequar estruturas físicas para o funcionamento das escolas nas aldeias indígenas.

 

Discriminação e violência contra mulheres

 

97. Adotar medidas legais e práticas para eliminar a violência e discriminação contra mulheres indígenas, particularmente em contexto de luta por direitos territoriais, bem como de empreendimentos e grandes obras que impactam os territórios.

 

98. Adotar mecanismo específico para receber denúncias e adotar providências céleres para prevenir, apurar e reverter casos de discriminação racial e violência praticada contra povos indígenas.

 

99. Assegurar políticas de acesso dos povos indígenas, especialmente das mulheres indígenas, a serviços de saúde, educação, emprego, moradia e assistência social.

 

Direitos das Crianças

 

100. Garantir nas políticas públicas e planos nacionais as especificidades relacionadas à de jovens e crianças indígenas de modo a não reforçar estereótipos e preconceitos contra os povos indígenas, mas efetivamente proteger seus direitos, observando-se o respeito às formas de organização social dos povos indígenas.

 

101. Impedir a retirada de crianças indígenas do convívio familiar e comunitário fundadas em discriminação racial, étnica e socioeconômica

 

Direitos dos Povos Indígenas

 

102. Estabelecer procedimentos necessários para a administração pública de modo a garantir a implementação e o monitoramento do direito dos povos indígenas serem consultados nos termos da Convenção 169 da OIT

 

103. Garantir a proteção e promoção dos direitos indígenas, especialmente com relação a suas terras, territórios tradicionais e recursos naturais; e direito de serem consultados.

 

104. Consultar os povos indígenas e quilombolas sobre quaisquer medidas que visem regulamentar o direito de consulta garantindo o reconhecimento dos protocolos de consultas de povos indígenas sem impor restrições ao direito de consulta e consentimento previstos na Convenção 169 da OIT.

 

105. Garantir a adequada consulta e a plena participar!ao dos povos indígenas em todas as medidas legislativas e administrativas que os afetem, particularmente para prevenir retrocessos na defesa e promoção dos direitos humanos dos povos indígenas

 

106. Respeitar e garantir, inclusive com previsão de alocação orçamentária, processos indígenas de elaboração autônoma de protocolos de participação, consulta e consentimento conforme as formas de organização social dos povos indígenas e das comunidades tradicionais.

 

107. Assegurar a participação efetiva e qualificada dos povos e organizações indígenas na formulação, implementação e avaliação de políticas ou medidas mitigatórias ou compensatórias relacionadas a empreendimentos que impactam seus territórios.

 

108. Atualizar os limites das terras indígenas delimitadas antes de 1988 e que não atendem às prescrições constitucionais, submetendo-as a novos procedimentos demarcatórios.

 

109. Garantir que os povos indígenas possam defender sem discriminação seus direitos territoriais e de consulta relacionados a obras e projetos de desenvolvimento que afetem seus territórios, recursos naturais e formas de organização social.

 

110. Concluir os processos de demarcação pendentes, em especial aqueles relacionados aos Guaranii, Kaiowá, Terena, Kaingang , Pataxó e Tupinambá, como forma de solucionar graves conflitos que assolam esses povos.

 

111. Dar mais atenção, em todos os níveis da administração, à promoção dos direitos dos povos indígenas e evitar retrocessos, especialmente garantindo a demarcação de terras indígenas nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste.

 

Defensores de Direitos Humanos

 

112. Avaliar e fortalecer o Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos com especial atenção para o atendimento de defensores de direitos humanos indígenas.

 

113. Aprimorar a proteção de defensores de direitos humanos indígenas, especialmente lideranças indígenas que lutam por direitos de suas comunidades e investigar as causas do aumento do número de casos de ameaças, violências e mortes de lideranças indígenas nos últimos 04 anos.

 

114. Adotar medidas em nível federal que sejam protetivas e eficazes para as comunidades em situação de conflito e para as lideranças indígenas ameaçadas.

 

115. Tomar medidas necessárias e específicas para garantir a integridade física de lideranças indígenas especialmente no contexto de defesa de seus direitos coletivos.

 

Meio Ambiente

 

116. Proteger as terras e territórios indígenas contra o desmatamento e a degradação ambiental e reconhecer a contínua proteção dos povos indígenas ao meio ambiente.

 

117. Garantir dotação orçamentária para implementação da Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental enquanto política de Estado.

 

118. Respeitar o direitos dos povos indígenas de dizer não sobre medidas administrativas e legislativas que os afetem.

 

119. Garantir que os processos de implementação do direito à consulta a povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais acerca de obras e projetos de desenvolvimento que os afetem diretamente seja considerado em todas as etapas de tomada de decisão pública desde o planejamento, o licenciamento, a execução e o monitoramento das obras

 

120. Reconhecer, reparar, compensar e indenizar casos de violações de direitos socioambientais decorrentes da não-realização, do atraso ou de outros vícios relacionados à implementação de processos de consultas efetivamente livres, prévias e informadas.

 

121. Adotar medidas de maneira consultada para efetivamente proteger as terras indígenas e as áreas sagradas contra a exploração de recursos naturais e degradação ambiental

 

122. Proteger as terras indígenas dos efeitos negativos das mudanças climáticas, reconhecer  e fortalecer  os conhecimentos indígenas sobre seu meio ambiente e para o combate ao aquecimento global.

 

123. Respeitar os direitos e os interesses dos povos indígenas protegidos constitucional e internacionalmente e consultá-los em temas relacionados a  suas terras, autonomia, línguas, meio ambiente e projetos de desenvolvimento.

 

124. Fortalecer as legislações nacionais sobre meio ambiente considerando os direitos humanos dos povos indígenas com especial atenção para o direito ao ambiente saudável, direito à saúde e à consulta livre, prévia e informada.

 

125. Avançar no reconhecimento e na proteção de terras indígenas como áreas ambientalmente protegidas e significativas para a preservação da sociobiodiversidade e do desenvolvimento sustentável.

 

126. Promover estudos e levantamentos sobre as formas que os povos indígenas estão se adaptando às mudanças climáticas e apoiar suas iniciativas.

 

Direito ao Desenvolvimento, Direitos Humanos e Empresas

 

127. Implementar as recomendações do Grupo de Trabalho de Empresas e Direitos Humanos com relação à proteção de direitos territoriais, ambientais e de consulta e autonomia dos povos indígenas.

 

128. Monitorar o impacto e adotar medidas para reverter ou compensar danos ambientais e situações de violações de direitos humanos dos povos indígenas por particulares, empresas e empreendimentos.

 

129. Garantir a participação e o reconhecimento da contribuição dos povos indígenas na construção de uma nova matriz e perspectiva de desenvolvimento econômico, social, político e cultural do país.

 

130. Respeitar a autonomia dos povos indígenas na definição de seus planos de desenvolvimento de acordo com seus modos de vida e visões de mundo.

Comentários encerrados.